Vale desobedece ordem de paralisar minas de níquel no Pará e é multada por tribunal

A ordem para cessar todas as atividades nas minas Onça Puma foi dada em 26/2. A multa é contada por dia de desobediência e pode passar de R$ 19,5 milhões

A Vale desobedece, desde 26 de fevereiro, uma ordem do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) para cessar todas as atividades na mineradora Onça Puma, que extrai e beneficia níquel no sudeste do Pará, e causou graves danos ambientais que atingem os povos indígenas Xikrin e Kayapó. As associações indígenas denunciaram o descumprimento da decisão judicial e oficiais de Justiça, junto com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) constataram em 6 de março que a empresa continuava funcionando, mesmo tendo sido arbitrada multa de R$ 100 mil por dia de desobediência.

Em resposta, o desembargador federal Antonio Souza Prudente determinou, no último dia 7, que a multa pela desobediência da Vale aumentasse para R$ 200 mil por cada dia em que a mineradora continue funcionando. A estimativa do Ministério Público Federal (MPF), que é o autor da ação judicial contra a Onça Puma, é de que a multa já passa de R$ 19,5 milhões.

Os peritos que foram até as instalações da mineradora, em Ourilândia do Norte, no sudeste do PA, constataram que os setores de metalurgia e beneficiamento de estavam em pleno funcionamento e sendo sistematicamente abastecidos por caminhões de minério, com todas as estradas do complexo apresentando circulação intensa de veículos. De acordo com o laudo dos oficiais de Justiça, nem mesmo as atividades de extração de minério foram paralisadas. Eles anexaram fotos que demonstram visualmente a redução dos estoques da mina do Onça e pontos de cava recente na mina do Puma.

“Quanto ao ponto, a própria empresa não nega a sua ocorrência, apenas justificando que a expressão “atividades minerárias” da decisão do relator não engloba “operações da usina”, mas tão somente as “operações da mina”. Contudo, tal alegação não tem fundamento”, diz a decisão que aumentou a multa contra a empresa e ordena a intimação imediata do presidente da Vale.

Essa é a terceira vez que o Tribunal ordena a paralisação da Onça Puma. A mineradora chegou a ficar 40 dias sem funcionar em 2015, mas voltou a operar para apreciação de recursos da empresa. Como os recursos foram negados, o relator do caso, Souza Prudente, atendeu o pedido das associações Xikrin para que as atividades das duas minas de extração de níquel fossem paralisadas para que sejam realizados os estudos e compensações devidos aos indígenas. A Vale está obrigada a depositar compensações para três aldeias do povo Xikrin e quatro aldeias do povo Kayapó que já alcançam o valor de R$ 50 milhões, até que implemente o Plano de Gestão Econômica e ambiental e demais medidas compensatórias devidas aos indígenas.

A implementação do plano depende de estudos de impacto sobre os danos já causados aos indígenas, que estão sendo realizados por peritos indicados pela Justiça. Desde que o caso da Onça Puma chegou aos tribunais superiores, em Brasília, essa é a quinta derrota da mineradora, que tentou suspender as compensações aos índios em recursos ao próprio TRF1 e ao Supremo Tribunal Federal (STF). Um recurso do governo do Pará, que ficou do lado da empresa nesse caso, também foi derrotado no STF.

Entenda o caso – As três aldeias Xikrin da região do Cateté, no sudeste do Pará, entre as cidades de Ourilândia do Norte, Parauapebas e São Félix do Xingu, foram cercadas por quase todos os lados por uma das atividades econômicas mais poluidoras, a mineração. São 14 empreendimentos no total, extraindo cobre, níquel e outros minérios, todos de propriedade da Vale, alguns já implantados, outros em implantação. Um dos empreendimentos de extração e beneficiamento de níquel, chamado Onça Puma, implantado sem o cumprimento da legislação ambiental, em sete anos de atividade, contaminou com metais pesados o rio Cateté e inviabilizou a vida dos cerca de 1.300 Xikrin. Danos também são sentidos pelo povo Kayapó, que também vivem próximos dos empreendimentos. Casos de má-formação fetal e doenças graves foram comprovados em estudos independentes e agora estão sendo checados por peritos judiciais.

O processo judicial do MPF que busca assegurar as compensações devidas aos índios tramita desde 2012.


Matérias relacionadas:

Tribunal ordena paralisação da mineração Onça Puma, subsidiária da Vale que causou danos ao povo Xikrin, no Pará

Indígenas que sofreram impacto com atividades da Mineração Onça Puma serão indenizados pela Vale

Pedido da Vale para retomar operações da Mineração Onça Puma é negado pelo TRF1