Suspeito de matar policial tem prisão temporária decretada

A Polícia Civil do Pará, através da Delegacia de Homicídios de Agentes Públicos, vinculada à Divisão de Homicídios, na data de 05/06/19, deu cumprimento ao mandado de prisão temporária, exarado pela Vara Única da Comarca de Santo Antônio do Tauá, em desfavor de Irineu Monteiro Pantoja, de apelido “Peixeiro”, 30 anos, um dos envolvidos no crime de  homicídio qualificado contra o SD PM Allan Maxwell Florencio de Sousa, ocorrido no dia 19/01/19, ocorrido na PA-140, em frente à Fábrica de Dendê Tauá, no município de Santo Antônio do Tauá/PA.

Na ocasião, o Policial Militar foi alvejado dentro de seu próprio veículo e seu corpo foi abandonado às margens da PA-140. Em seguida, houve um acompanhamento por Policiais Militares ao carro, evoluindo para um tiroteio, o que ocasionou a morte de dois dos ocupantes do veículo, em sede de intervenção policial, após terem efetuado disparos de arma de fogo contra a guarnição. O terceiro homem conseguiu fugir.

O indivíduo que conseguiu fugir era Irineu Monteiro Pantoja, que se apresentou à Divisão de Homicídios 04 (quatro) dias depois do crime, relatando sua versão dos fatos e, em seguida, liberado.

Contudo, as investigações apontaram, pelo menos, 13 pontos contraditórios na versão apresentada por Irineu, em comparação com os depoimentos de outras testemunhas e elementos de informação colhidos nos autos. Entre elas, pesa o fato de duas testemunhas oculares, funcionárias da fábrica de Dendê, afirmarem, em sede testemunhal, terem avistado 03 (três) indivíduos retirando e abandonando o corpo de um homem às margens da PA.

Assim sendo, a Autoridade Policial representou pela prisão de Irineu, sendo esta devidamente deferida pelo Juízo da Comarca de Santo Antônio do Tauá. Em seu interrogatório, Irineu fez uso de seu direito constitucional de permanecer em silêncio e afirmou que se manifestaria apenas em juízo. (Whatsapp polícia civil)